Home Convenios Psicologia Terapia Ocupacional No Tratamento De Alzheimer
Segunda, 22 Setembro 2008 18:17

Terapia Ocupacional No Tratamento De Alzheimer

Escrito Por  Josiane da Silva
Vote Neste Item
(1 voto)

A TERAPIA OCUPACIONAL ATUANDO NO TRATAMENTO DO PORTADOR DE ALZHEIMER

 

A Terapia Ocupacional é uma forma de tratamento que utiliza, como meio terapêutico, atividades que são previamente analisadas e selecionadas de acordo com as capacidades, potencialidades e limitações do paciente na área da geriatria. Por exemplo, na reabilitação de pacientes que sofrem de mal de Alzheimer, a Terapia Ocupacional procura sempre orientar os seus cuidadores, junto com a pessoa portadora de mal de Alzheimer, através da compreensão de seu cotidiano fazendo intervenções que facilite a rotina da família e do paciente.

 

 

Mal de Alzheimer é um tipo de demência neurodegenerativa, progressiva, caracterizada de perda intelectual. Assim, a doença afeta a memória, a atenção, a concentração, o raciocínio e a linguagem. Também há comprometimento das atividades funcionais, inclusive nas atividades de vida diária (AVD).

No estagio inicial, a pessoa parece confusa e esquecida. Ela procura palavras ou deixa pensamentos inacabados, esquece freqüentemente os fatos e conversas recentes. Entretanto, pode lembrar claramente o passado distante.

Nos estágios intermediários, a pessoa precisa muito de ajuda para executar tarefas rotineiras. Ela pode não reconhecer seus familiares e perde-se em locais diferentes. Encontra dificuldades para a efetivação de seus autocuidados, como alimentar-se, vestir-se e tomar banho.

No estagio avançado, a pessoa perde completamente a memória, a capacidade de julgamento e o raciocínio. É necessário ajudá-la em todos os aspectos do dia-a-dia. Fica completamente dependente de outras pessoas. Também há mudanças de personalidades, que geralmente são associadas à doença de Alzheimer como depressão, regressão, apatia, irritabilidade, desconfiança, afasia (dificuldades para denominar objetos), apraxia (dificuldades em executar atos motores), agnosia (dificuldades de reconhecer faces ou pessoas) e impaciências. Também podem ocorrer alucinações.

Portanto, o objetivo do terapeuta ocupacional é retardar o avanço da doença; amenizar os sintomas tanto na parte cognitiva como na parte funcional; restabelecer a capacidade laborativa, prevenir e/ou diminuir as incapacidades e obstáculos que surgem como conseqüência de transtornos físicos, psíquicos, sensoriais ou sociais; restaurar as funções perdidas; e promover o convívio social da pessoa que tratamos são, portanto, os aspectos gerais de nossa atividade profissional e, assim, proporcionar dignamente uma qualidade de vida para o paciente.

 

 

BIBLIOGRAFIA:

 

BOTTINO, Cássio M; LAKS, Jerson; BLAY, L.Sérgio. Demência e transtorno cognitivos em idosos. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006.

MACHADO, J. C. B. “Doença de Alzheimer”. In: FREITAS, E.V. et al. Tratado de Geriatria e Gerontologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002, p.133-147.

 

 

Josiane da Silva

Terapeuta Ocupacional

CREFITO: 8828-TO

 

 

 

Última modificação em Segunda, 22 Setembro 2008 18:52


Deixe um Comentário

Entre Com a informação (*) requerida onde indicada.
HTML Básico é Permitido.


Digite O Código De Segurança Mostrado Na Figura

             Visual CAPTCHA